A ARTE DE DECORAR

Amantes de arte, seja ela clássica, moderna ou contemporânea, usualmente ficam na incerteza de como ter quadros esculturas na decoração da moradia. As angústias mas frequentes são referentes a quais ambientes assentem aceitar objetos de arte , especialmente, como incluí-los sem que deixem o espaço “sobrecarregado”.

 

ONDE PODE FAZER ARTE?

A resposta é bastante simples: praticamente todos e cada um dos locais da moradia recebem muito um objeto de arte. Existem somente poucos cuidados ao selecionar o que colocar em qualquer envolvente.

_Cozinha: repetidamente, possui umidade, obesidade vapor, o que deve danificar quadros. Então, esculturas ou quadros que sejam protegidos por vidro são mas adequados para decorar cozinhas.

_Lavabo: esculturas grandes longilíneas, peças miúdas para estribar na pia quadros pequenos são legais em lavabos.

_Quarto: por ser um espaço de tranquilidade repouso, vale selecionar quadros com cores suaves esculturas com formas curvilíneas. As duas escolhas têm fortes chances de levar aconchego ao envolvente.

_Sala: seja na sala de televisor ou de estar, nestes ambientes vale tudo. A partir de pequenos quadros a grandes esculturas; extensas telas miúdas peças decorativas combinam com as áreas de convívio.

COMO FAZER ARTE?

A exclusivamente regra para ter arte em envolvente da vivenda é decorar com estabilidade, que é intrínseco a duas variáveis: a quantidade o tamanho dos itens.

_Quantidade: diversos objetos podem poluir , em poucos casos, até entregar a sensação de diminuir o envolvente. Se as esculturas ou quadros forem as primeiras a serem escolhidas num projeto de decoração, posicione-os antemão nos circuito preencha os “vazios” com os móveis. Se a compra dos objetos de arte sobrevir uma vez que o envolvente estiver decorado, vale imaginar (em pequeno número de casos até projetar) qualquer um deles no sítio de antemão de realizar a compra.

_Tamanho: esta variável está ligada à escolha se os objetos de arte serão protagonistas da decoração ou somente itens decorativos. Como é de se aguardar, peças grandes têm invariavelmente extensa impacto no envolvente. Porém, esculturas quadros pequenos podem envolver um papel de herói se colocados isolados em um espaço reservado só para eles.

A fina arte automotiva na parede

Talvez você não saiba, porém há vários brasileiros projetando carros de grandes fabricantes pelo planeta afora. Raul Pires talvez seja o mas reconhecido deles, responsáveis pelas linhas do Bentley Continental GT — uma configuração que completa 15 anos com suas linhas gerais tão somente atualizadas por um facelift em 2011. Também vamos poder referir Marco Diniz, engenheiro da SRT que acertou o chassi do Cherokee SRT8, os irmãos Pavone da Volkswagen Marcos Lameirão, um dos grandes responsáveis pelo sege de corridas Ginetta G50.

Seja o pole-position sobre nossos produtos, promoções novidades futuras, custoso FlatOuter!

Outro nome que vem se destacando ultimamente é o de Monarca Pieri. O brasiliano é programador visual da Onça foi responsáveis pelo sege mas legítimo da marca nos últimos anos, o insano Project 7, uma versão radical do F-Type inspirada nos speedsters da Jag que disputaram Le Mans outras corridas de rua nos anos 1950.

O Project 7 foi desvelado por contingência pelo dirigente de desenho industrial Ian Callum , após pender noção, foi demudado em uma versão de produção pela repartição de projetos singulares da Jag.

O Project 7 será uma edição limitada a 250 unidades , obviamente, não será barato — a Onça diga que no mínimo uma unidade será destinada ao Brasil. Felizmente você não precisa lucrar na loteria, nem ser milionário para ter um Project 7 ou uma geração do programador visual em sua garagem. Além do configuração de automóveis, Pieri também cria arte automotiva de primeira.

the-jaguar-bonnet-artwork-collection-cesar-pieri

O trabalho artístico mas legítimo de Pieri é a série intitulada “Bonnet Artwork Collection”. Como seu nome sugere, trata-se de capôs originais dos modelos Onça pintados à mão com estilo pop-art inspiração nos grandes ícones da marca. Coisa fina para decorar uma garagem descolada, uma loja/bar temático, ou mesmo a sala da sua moradia. A compilação será exposta em março na Inglaterra, porém já deve ser encomendada no website de Pieri.

DesignPieri

Se você procura alguma coisa mas modesto, Pieri também oferece o mesmo gênero de de pintura no formato impresso em hidrografia, e sem duvidas eu não poderia deixar de indicar o curso de pintura hidrografia que é um fenômeno na arte automobilística para deixar tudo  pronto para encaixilhar pendurar na parede. Diferentemente da “Bonnet Artwork Collection”, as impressões não se limitam aos modelos Onça, trazem outros clássicos do automobilismo como o Audi Quattro de rali, o Porsche 917, o Lancia Delta Integrale o Romeo 33 Stradale. Toda gente eles estão disponíveis em três tamanhos — 70 x 35 cm, 100 x 50 cm 150 x 75 cm.

As impressões são feitas sobre tela (canvas) , no processo de pintura hidrográfica como pode ser visto neste artigo e certificada para esse classe de arte, recebem tratamento próprio para evitar desbotamento máculas. Elas podem ser compradas na loja virtual do programador visual/artista por preços que partem de £ 79 (R$ 330, aprox.). Todas elas são limitadas a 49 impressões assinadas à mão pelo programador visual.

 

História de Origem do Cinema

Um dos fenômenos tecnológicos mais impressionantes de nossa história é a capacidade de coleta (ou conquista) da “imagem-movimento”, ou seja, da inquietação de imagens ativas da veras, não estáticas, como é o caso da retrato. A apanha da “imagem-movimento” foi provável desde 1889 com a geração do cinetoscópio por William Dickson, assistente do observador inventor ianque Thomas Edison. Esse invento os modelos que o sucederam na década seguinte contribuíram para o desenvolvimento do cinema bem como o compreendemos hoje em dia, ou melhor, a artecinematográfica.

O cinema, desta maneira, teve origem no cinetoscópio, que, sem embargo, não projetava as imagens em telões. O testemunha do cinetoscópio tinha de observar (durante um tempo-limite de 15 minutos) as imagens no interno de uma câmara escura através de um orifício quando colocava um dos olhos. Nesse sentido, a experiência visual proporcionada pelo cinetoscópio não podia ser feita coletivamente. Edison não chegou a patentear o invento, o que abriu portas para outros inventores, sobretudo da Europa, aperfeiçoarem o protótipo.

No ano de 1892, o galicismo Léon Bouly conseguiu, a gretar do cinetoscópio, desenvolver o cinematógrafo, um padrão que conseguia gravar projetar a luminosidade das imagens-movimento em tela, em quadros por segundo. Porém, Bouly não possuía grana para registrar a patente do invento. O cinematógrafo acabou por ser patenteado pelos irmãos Lumière, que passaram, desde 1895, a fazer numerosas produções cinematográficas de pequena capacidade a exibi-las em sessões singulares para isso.

A primeira exibição de filme constituído por Auguste Louis Lumière ocorreu em 22 de março de 1895. O filme era cognominado “La Sortie de L’usine Lumière à Lyon” (A saída da Fábrica Lumière em Lyon) registrava a saída dos funcionários do interno da empresa Lumière, na cidade de Lyon, na França. Foi ainda com os irmãos Lumière que começaram as primeiras “direções cênicas” para o cinema. O cinematógrafo logo passou a registrar não somente cenas do cotidiano, porém também cenas dramáticas, elaboradas com correto nível de teatralidade, como muito atesta o sociólogo Edgar Morin na obra “O Cinema, ou O varão imaginário”:

Porém, por sua natureza, a partir de o seu emergência, o cinematógrafo era essencialmente espetáculo: este exibia suas cenas a espectadores, para espectadores, implicava desta forma a teatralidade que este desenvolveria prontamente através da direção, da mise-en-scène. De resto, os primeiros filmes do cinetoscópio já apresentavam lutas de boxe, atrações de music-hall pequenas cenas. O próprio cinematógrafo, a partir de seu primeiro dia, já mostrava o varão que regava as sendo regado pela mangueira. A ‘espetacularidade cênica’ aparece desta forma concomitantemente que o cinematógrafo.” [1]

Porém seria nas três primeiras muito tempo do século XX que o cinema declarar-se-ia arte. isso ocorreu sobretudo pela ação de artistas interessados em teatro, mágica ( prestidigitação) todo gênero de provável de efeito cênico. Um dos primordiais nomes dessa temporada do cinema foi Georges Meliès, que dirigiu “Viagem à Lua”, em 1902, conseguindo com esse filme efeitos visuais na verdade impressionantes para a idade.

Depois os filmes de Meliès, surgiram as produções de D. W. Griffith, nos Estados Unidos, as do expressionismo do “Movimento de Câmera”, na Alemanha, do super-realismo, na Espanha, o cinema soviético, sobretudo com nomes como Vertov Eisenstein.

NOTAS

[1] MORIN, Edgar. O cinema, ou O Varão Imaginário – Experimento de Antropologia Sociológica. (trad. Luciano Loprete). São Paulo: É Realizações, 2014. p. 69-70.

Teatro Helênico – A Origem

O Teatro Helênico foi bastante essencial no desenvolvimento da cultura grega , apesar disso, serviu de impacto inspiração para outros povos da antiguidade, sobretudo, os romanos.

Vale lembrar que o termo teatro (theatron), do helênico, significa “lugar onde se vê” ou “lugar para olhar”. O teatro helênico era formado por variados elementos, ambientes figurinos. Além das da presença de júris, eles apresentavam músicas, danças mímicas.

Apanhado das Peculiaridades

Saiba sobre as essenciais peculiaridades do Teatro Helênico:

Origem

O teatro heleno teve início em Atenas, na Grécia, por volta de 550 a.C. apareceu a gretar das celebrações realizadas sobretudo, para o Deus Dionísio, potestade das festas, fertilidade do vinho.

Nas celebrações Dionisíacas, que duravam mais ou menos uma semana, as pessoas bebiam, cantavam dançavam. Com o passar do tempo, essas festas foram evoluindo na organização preparação, até chegar ao o que hoje em dia conhecemos como o teatro com enredo, atores, plateia, encenações, etc.

Vários festivais de Teatro, fizeram secção da Grécia Antiga eram apresentados durante o dia todo vários duravam dias.

Para descobrir mas, leia Mitologia Grega.

Máscaras

As máscaras eram um instrumento precípuo do figurino dos autores, sendo bastante utilizado no teatro heleno. Visto que as mulheres não participavam das atuações (não eram consideradas cidadãs da pólis), as máscaras, bastante coloridas, podiam simbolizar personagens feminino e  masculino.

Arquitetura

Teatro GregoVelho Teatro na Acrópole Grega, Atenas

A arquitetura dos teatros gregos possuía como mais destacada particularidade, as construções ao espaço de forma livre, chamados de teatro de estádio. Em forma de meia lua, tendo em vista uma melhor acústica, eles possuíam uma extensa plateia. Merecem prol o Teatro de Delfos o Teatro de Dionísio.

Na era clássica, vários teatros foram construídos na Grécia. Para os gregos, ir ao teatro representava uma extensa fato, que aos bocados, foi tomando conta da vida social dos habitantes.

Classificação

Na Grécia Antiga os gêneros teatrais eram classificados em:

Tragédia

Do helênico, o termo tragédia (tragoedia) é formado pelas palavras, “tragos” (cabrão) “oidé”, (melodia), significa “música ao cabrão”, uma vez que nas celebrações a Dionísio (Esquina ao Cabrão), um cabrão era dedicado para oferenda ainda os homens se vestiam de sátiros.

Trata-se do gênero teatral mas velho de toda gente o que estava fundamentado nas histórias trágicas mitológicas, por ex, o pânico, a morte, o terror. Ou melhor, a tragédia é um gênero artístico que representa uma bocado teatral (ou poema) com um final infeliz.

As tragédias gregas eram compostas frequentemente por cinco atos uma das essenciais peculiaridades que a diferem da comédia, eram os personagens, quer dizer, na tragédia os personagens eram deuses, reis heróis, na comédia, os personagens eram homens comuns.

Os mas essenciais dramaturgos gregos desse gênero foram: Ésquilo, Sófocles Eurípides. Vale lembrar que diferentemente dos jurados nas Comédias, os júris das tragédias eram formado por cinco pessoas essenciais da fidalguia.

Saiba mas sobre a Tragédia Grega.

Comédia

Do Heleno, o termo comédia (komoidia) significava um “espetáculo risonho”. Trata-se, desta maneira, de um gênero teatral crítico fundamentado nas sátiras que abordava muitos aspectos da sociedade grega de forma cômica. Observe que ela era considerada pelos clássicos como um gênero menor, em relação à tragédia. Os júris da comédia não eram aristocratas como na tragédia, que estavam formados por três pessoas da plateia.

Para o pensador heleno Aristóteles, a tragédia era um gênero maior em atenção a representava os homens superiores, a comédia representava os fatos cotidianos então, era representado por homens inferiores, ou melhor, os cidadãos da Pólis. Dos dramaturgos desse gênero, dintingue-se: Aristófanes.

Saiba mas sobre a Comédia Grega.

Peças

Varias peças teatrais gregas são representadas até atualmente visto a impacto que tiveram no planeta. São elas:

  • “Édipo Rei” de Sófocles
  • “Prometeu Amarrado” de Ésquilo
  • “As Troianas” de Eurípides
  • “As Vespas” de Aristófanes

Conheça a tragédia grega Prometeu Amarrado.

Teatro Romano

Além do teatro helênico, o teatro romano sofreu impacto deste se desenvolveu na era clássica. Exatamente a mesma forma, o teatro na Roma Antiga desempenhou um papel social bastante essencial na sociedade o que influenciava a política as crenças da população. Do meio de os dramaturgos romanos destacam-se Plauto, Terêncio Menandro.

Curiosidades: Você Sabia?

Teatro GregoMáscaras Teatrais

A máscara da Tragédia da Comédia são símbolos bastante disseminados no teatro fazem referência a sua origem grega aos primordiais gêneros disseminados na Grécia Antiga.

 

4 formas eficientes de publicar sua música nas redes sociais

A divulgação é um dos passos mas essenciais no processo de produção, finalmente, de que adianta gerar um ótimo trabalho, tê-lo em mãos e não ser ouvido por absolutamente ninguém?

Presentemente, o método mais geral de propaganda de músicas na rede vem com o auxílio das redes sociais das plataformas digitais. Esse processo, para quem é iniciante não possui diversos recursos, mostra-se ideal, particularmente, por ter insignificante ou nenhum dispêndio na sua utilização.

Atualmente, ainda que já serem bastante difundidos, é necessário descobrir como explorar todos e cada um dos recursos o potencial que as mídias sociais proporcionam , com isso, facilitar a propaganda condensação do seu trabalho.

Confira certos serviços disponíveis:

FACEBOOK – Presentemente tem sido o principal utensílio utilizada para propalar uma filarmônica ou artista solo, porque além de gratuita, possibilita sustentar um relacionamento direto com o público. O Facebook transformou-se no cartão de visitas de todo artista. Certamente todos e cada um dos usuários desta rede social já conheceram conjuntos pela net , possivelmente, quase todas têm uma fanpage no Facebook. Por ser personalizável, é provável disponibilizar uma série de informações sobre o artista, como fotografias, vídeos, clipes, agenda, músicas, entre muitos outros.

YOUTUBE – Instrumento gratuita que também possui voltado e indispensável. Seu foco principal é a postagem de material audiovisual. No YouTube, o artista cria seu maerial de entrada para o público. É bastante utilizado por artistas na comunicação de videoclipes, na rotina dos negócios de produção, trechos de ensaios, bastidores de shows , aliás, possibilita a exibição de transmissões ao vivente.

SOUNDCLOUD – Website retornado exclusivamente para propalar música. Além de prático, no que se alude ao cadastro utilização, é bastante disseminado no meio músico, o que faz com que seja o mas utilizado acessado presentemente , melhor, grátis. Nele, há uma padronização das páginas de usuários, geração de playlists, backlinks para páginas de outros artistas, backlinks para compra/venda de músicas, opção de disponibilizar ou não as músicas para download, resumindo, bastante completo, deixando para trás plataformas como o Myspace, que já teve seu auge.

 

SITE PRÓPRIO – Ainda que pequeno número de pessoas acharem desnecessária sua geração, pelo fato de gerarem gastos pequenos, que nem são tão altos como, por ex, o desenvolvimento do website, domínio albergaria, um website próprio é alguma coisa bastante essencial traz para o trabalho do artista um vista profissional , muito conformado, deve possibilitar retorno sobre o investimento.

Com o seu próprio website em php, mas muitas pessoas não sabem como fazer, e acham absurdamente difícil, e acabam procurando algum treinamento que possam auxiliar e se perguntas o seguinte, antes de começar um site neste formato. Será que o curso de php do zero ao profissional é bom?  Neste contexto você mesmo pode fazer com o seu site pois é extremamente fácil.  O artista deve publicar sua música, datas de shows, sua história, portfólio completo, videoclipes, discografia, ter -mails personalizados ainda produzir uma loja virtual pra venda de seus produtos. tudo isso em um site construido por você mesmo sem depender de terceiros

É essencial manifestar que, de antemão sua música na rede, é preciso estabelecer o público que pretende obter. Isso ajudará no relacionamento com os simpatizantes, a visitar os lugares certos a publicar sua música da melhor forma.

Deseja mais dicas sobre como aumentar a projeção do seu trabalho artístico? então deixe seu comentário abaixo!